O que é a mente?

Apenas nos últimos 100 anos que a mente começa a ser desvelada pela ciência. Mesmo assim, existem inúmeros mistérios que estão longe de serem compreendidos pela razão humana. Estamos longes de compreender completamente o que é a consciência e como se dá sua interação com o cérebro.

Entretanto, hoje somos capazes de realizar exames bem detalhados dos vários processos mentais. Em milhares de hospitais pelo mundo somos capazes de fazer ressonâncias magnéticas que evidenciam o funcionamento de várias partes do nosso cérebro. Isso nos dá um indicativo de que, mais cedo ou mais tarde, a mente revelará todos os seus segredos. Isso é apenas questão de tempo.

A mente, na atualidade, pode ser definida como o processo mentais do aparato físico, o cérebro. Mente e cérebro estão intimamente relacionados e o impacto em um, certamente afetará o outro.

Um exemplo dessa relação é o efeito da cafeína no cérebro. Basta você tomar 500 mg de cafeína e você sentirá sua mente tão agitada como se você estivesse em um campo de batalha. Esse simples experimento demonstra que nossa mente não está tão desconectada do corpo como diziam os antigos.

 

Mente, Alma, Consciência e Espírito

Na antiguidade essas 4 coisas eram vistas muito diferente da forma como vemos na atualidade. Talvez você ainda tenha o pensamento de a alma e a mente são as mesmas coisas, sinto muito em lhe dizer, mas essa afirmação já foi abandonada pela ciência a várias décadas.

Em termos gerais podemos definir o espírito como um duplo do nosso corpo físico, esse duplo se localiza em uma dimensão superior, também conhecida como metafísica (além do físico). O espírito tem a capacidade de reincarnar, viver em outros lugares ou até mesmo interagir com o mundo físico, através de incorporações, manifestações, entre outros.

A alma já possui um contexto mais religioso, onde dependendo da tradição e da escatologia (teoria da salvação), a alma adquire algumas virtudes ou é pecadora. De acordo com algumas tradições, o nosso papel, enquanto seres humanos, é viver uma vida digna, de tal forma que nossa alma pode ser salva do perecimento físico. Essa alma, é vista como o cerne do ser humano, é nela que reside o que temos de mais puro e sagrado.

A mente é o resultado do processo das funções cerebrais. Ela está intimamente conectada com o funcionamento das diversas áreas do cérebro. Ao ponto que se uma pessoa sofrer algum acidente e alguma área do cérebro for danificada, isso se refletirá nos processos de fala, movimento, memória, cognição, inteligencia, entre outros.

A consciência. Agora sim entramos em um território ainda muito incerto, até mesmo pela ciência. Pois atualmente não existe sequer uma definição clara e precisa do que seria a consciência. A consciência, em linhas gerais, pode ser definida como a capacidade do cérebro, alma ou espírito de se auto observar. A consciência parece ser capaz de ligar e desligar, se alguns eventos forem executados em sintonia. Exemplo: anestesia geral.

De qualquer forma, é importante observar que as definições de mente, alma, espirito e consciência são mais complicadas do que a grande maioria das pessoas podem imaginar. Por isso é preciso que tenhamos muita cautela ao afirmarmos algo categoricamente como o funcionamento de uma delas.

Subjetividade, efeito placebo e nocebo

Vamos chamar aqui, esses efeitos mentais como mente.

A subjetividade é a individualidade da sua mente. Isso quer dizer que, mesmo você possuindo um cérebro extremamente parecido como o de milhões de outros seres humanos, você possui algumas características que são completamente suas, totalmente individuais.

Sejam elas a preferência por um determinado tipo de música, a comida favorita, o idioma falado, a religião da qual pertence ou até mesmo do conteúdo  sócio-cultural que constitui sua personalidade.

A subjetividade é aquilo que lhe torna único, é a sua percepção sobre o mundo. Mas lembre-se, é a sua percepção, e não significa necessariamente que ela é a percepção correta. Tenha isso em mente.

O efeito placebo é um fenômeno interessante da mente humana (e há estudos que mostram que até mesmo animais apresentam esse fenômeno), que acredita se curar de algo ou ter o benefício de alguma intervenção. Calma, eu explico. Imagine que você está se sentindo um pouco indisposto e um amigo lhe dá um pequeno comprimido. Ele te avisa que esse comprimido é muito bom para seu problema. Sem questionar muito, você toma e de repente você começa a se sentir melhor, só depois então seu amigo lhe informa que o comprimido era de açucar e não tinha nenhum componente farmacêutico. Esse é o efeito placebo, quando sua mente é enganada a pensar que algo que você faz vai lhe causar o bem, e ela se sente bem.

Tenha sempre em mente que o efeito placebo tem uma eficácia em média de 33%. Ou seja, 33% das pessoas que tomarem uma pírula de açúcar ou farinha, se sentirão bem, independente do conteúdo do medicamento, o que não significa que a pírula com açúcar tem o poder de curar, mas sim que a mente humana é capaz de interagir com o organismo muito mais do que imaginamos.

O efeito nocebo é parecido com o placebo, no sentido de que a mente é enganada e produz um efeito no organismo. Entretanto, dessa vez, o efeito é negativo. Nesse caso, poderíamos dar uma pírula de açúcar para pessoa e falaríamos que é um veneno. Então a pessoa começaria a se sentir mal, acreditando que foi envenenada. Basicamente o efeito noncebo é o oposto do placebo.

Moral da história

Cuidado com o que passa na sua mente, nem tudo que reluz é ouro. Sua mente está sujeita as subjetividades, efeito placebo, noncebo e diversos outros fenômenos cognitivos que podem ofuscar a forma como você percebe a realidade. Por isso, sempre fique atento para não tomar decisões muito importantes baseadas na sua percepção sem antes se certificar de que elas estão alinhadas com a realidade.

A meditação é uma ótima estratégia para você desenvolver a capacidade de observar sua mente e revisar conceitos. Desta forma, você é capaz de tomar decisões mais assertivas no seu dia a dia